ALISANDO CABELO CRESPO APÓS 2 ANOS ( VOCÊ PRECISA VER O RESULTADO ! )

A mulher é linda independente da sua cor, estilo ou cabelo. Cada uma com suas particularidades, que a fazem se amar dia a dia, do seu jeitinho.

Nem sempre a lisa é feliz por ter seus cabelos lisos e nem sempre a cacheada quer continuar com seus “caracóis”. E se a decisão for mudar, que todos à sua volta venham respeitar.

Hoje trago pra vocês uma transformação de um dia. Sim ! Apenas 1 dia, pois foi assim que a minha irmã ( Thamires ) escolheu.

E a postagem de hoje é alisando o cabelo crespo após 2 anos de cabelo natural.

Thamires já foi a típica mulher que já teve cabelos de vários tipos. Relaxados, alisados, coloridos e até com mega hair. Mas após tirar o mega hair, ela decidiu usar o seu cabelo natural. Sem químicas, coloração, ou qualquer mecanismo térmico.

Mas após 2 anos sem fazer nada no cabelo, ela decidiu que queria alisar e ver como o cabelo dela ficaria. Então, ela me propôs e de cara logo aceitei.

 

 

Quando ela chegou, o cabelo dela estava extremamente ressecado, com muitas pontas e bem castigado. Depois que ela teve a filhinha dela, por conta da correria, ela acabou deixando o cabelo dela de lado e não cuidou como deveria.

Então, fui logo lavando e aplicando um tratamento no cabelo dela para devolver os nutrientes necessários ao fio.

Logo após apliquei um protetor térmico e fui começar a escovação.

 

 

O cabelo afro, por ter uma curvatura mais fechada, precisa de uma boa escovação para que no resultado final da prancha, venha ficar satisfatório.

Por isso, fui pegando mechas média e escovando bem para alinhar os fios.

Ao passar a prancha, fiz da seguinte forma. Passei 3 vezes na raiz e 3 x em todo o comprimento.

Pra finalizar, um reparador de pontas e prontinho.

O resultado ficou muito bacana. A Thamires e eu adoramos.

 

 

Veja o vídeo para assistir detalhes de tudo:

FacebookTwitterGoogle+Compartilhar

O cabelo e a auto estima.

Oii meninaas…

Como vocês estão ? Espero que muiiito bem !

Hoje eu vim falar de um assunto que é um bastante delicado pra mim. Vou falar sobre o cabelo e a auto estima. Dois fatores que interferem fortemente na minha vida desde que me entendi como ”mocinha” e comecei a ter minha ”vaidade”.

Vou confessar que foi um pouquinho difícil tomar essa decisão de vir aqui e falar sobre isso com vocês. Mas eu pensei: a minha relação com vocês é de total amizade. Dedico horas e horas da minha vida com o blog e canal e amo fazer isso. Sempre venho aqui dar alguma dica, trocamos experiências e também falo um pouco sobre mim. Por isso, nada melhor compartilhar com vocês algo que pode servir até mesmo como ajuda pra algumas meninas. Por isso, vou contar um pouquinho da história do meu cabelo pra vocês me entenderem melhor.

O meu cabelo natural é um cabelo afro de numeração 4A, que é um cabelo crespo com cachos bem fechadinhos. Tive o cabelo natural, sem química até os meus 8 anos de idade. Desde então meus pais me levaram a um salão, onde fizeram permanente para soltar e domar os meus cachos. Quando eu era criança, até que ficava bonitinho, embora meu cabelo fosse bem pouco. Além de pouco meu cabelo sempre foi um cabelo muito fino e naturalmente frágil. Por isso depois da primeira aplicação de química o meu cabelo se fragilizou mais ainda.

Fui crescendo e começando a ter vontades e então decidi alisar os fios. Desse jeito, percebi que meu cabelo ficava um pouco mais cheio e de um jeito que me agradasse. Não 100%, mas era melhor do que quando fazia permanente. Na verdade, meu cabelo nunca ficava bom de nenhum jeito. Daí, quanto mais crescia, mais decepcionada e triste ficava. Afinal, a vaidade já tinha batido na porta, eu já tinha crescido e queria ficar bonita e arrumadinha como as outras meninas.

Durante longos anos,tratei meu cabelo com cabeleireiros, fazendo pacotes de tratamentos e manutenção. Mas meu cabelo nunca saia do lugar. Sempre era um cabelo sem vida, opaco, super seco e quebradiço. E quando enfim o tamanho dele saia do lugar, era pra diminuir o que já era curto. Conclusão: Me decepcionei de vez e decidi que eu mesma cuidaria do meu cabelo.

Comecei a buscar informações de como cuidar melhor dos fios e assim fiz. Meu cabelo não ficou aquela coisa: Nossa que maravilha, mas ficou melhor do que quando cabeleireiros cuidavam e digo ainda mais, meu cabelo cresceu como nunca havia crescido nas mãos de nenhum deles. Daí você vai me perguntar ao ver as fotos do meu cabelo: Mas Priscila, seu cabelo ainda estava bem curto, como você falou que seu cabelo cresceu como nunca havia crescido antes? E eu te respondo: Sim, meu cabelo é curto, na altura do pescoço ao final dele. Mas quando cuidava do meu cabelo com cabeleireiros, meu fios não passavam da metade da orelha. Pasmem, mas é isso mesmo que vocês estão lendo!

o cabelo e a auto estima

O nosso cabelo passa por 3 fases que são elas:

Anágena, que é a fase do crescimento. Catágena, que é a fase em que o cabelo para de crescer e a  telógena, que é a fase onde acontece a queda natural para a renovação dos fios. Por isso que muitas mulheres falam: Meus cabelos crescem até tal tamanho e dalí não passa mais. Isso porque até o cabelo tem seu limite e o limite do meu cabelo é no final do pescoço. Foi o máximo que meu cabelo cresceu em toda a minha vida.

Ainda nessa busca de cuidados com meus cabelos, acabei me apaixonando por isso e decidi me profissionalizar, tanto para cuidar do meu cabelo, quanto para ajudar quem tem problemas com os fios. Então fiz o curso no Instituto Loréal Professionel, onde pude aprender e entender muito sobre cabelo. Mas até no instituto, os profissionais diagnosticaram que meu cabelo é mais fino do que o normal e que precisava de uma atenção maior. E a  primeira coisa que fiz, foi viver de cronograma capilar, ou seja, todas as vezes que lavo o meu cabelo eu uso uma máscara nutritiva ou hidratante ou reconstrutora sempre intercalando. E depois que comecei a fazer isso senti uma diferença enorme em todos os aspectos. Obs.: Lavo meu cabelo 3x na semana.

Até que chegou um momento em minha vida que percebi que meu cabelo estava se arrebentando muito, ao ponto de que todas as vezes que eu lavava, pudesse sentir a diferença de quantidade. Comecei a me desesperar e como sabia que não era por conta de química, decidi procurar um médico e então descobri que estava com problema de hormônio. Aquilo me desesperou, mas de imediato comecei o tratamento onde tive uma melhora. Mas por estar tão curto não tive outra opção, a não colocar mega hair.

Eu sempre tive um certo preconceito com mega hair, não por ser cabelo de outra pessoa ou algo do tipo. Mas por não querer ser dependente. Mas parece que a vida nos confronta e decide ensinar que o que acharíamos que seria ruim,  se tornaria algo que iria nos fazer feliz.

o cabelo e a auto estima

Hoje, estou feliz e confesso que viciada no mega hair (rsrsr). Enquanto meu cabelo vai crescendo e se estabilizando, eu vou curtindo esse visual que tanto amei e que trouxe a minha auto estima.

Nessa postagem, contei um pouquinho da história do meu cabelo e também quis mostrar que podemos cuidar não só do nosso fios, mas de vários outros aspectos do nosso corpo, sem depender de ninguém e que as vezes o que achamos que seria ruim, talvez é o que vai elevar nossa auto estima e nos deixar ainda mais bonitas.

MEDITEM:

Ao único Deus, sábio, seja dada glória por Jesus Cristo para todo o sempre. Amém.

Romanos 16:27